<




Terapia Infantil

Muitas vezes não entendemos nossas crianças, mas percebemos que pode haver algo errado com elas. Algumas vezes você pergunta o que ela tem e ela diz que não é nada, olha para baixo, sai correndo ou simplesmente fica olhando para você sem dizer uma só palavra. E você pode se sentir a pior mãe do mundo, pois afinal de contas você imagina que deveria conseguir ajudar seu filho em todos os momentos sobre todas as questões. Mas não é bem assim, criança não vem com manual de instruções e sua forma de comunicar que algo não está bem pode ser diferente da forma que os adultos entendem (e muitas vezes a própria criança não sabe o que está errado, mas sente um desconforto que não compreende).

Esse desconforto pode ser por vários motivos, estar sendo agredida por outras crianças na escola, ou a professora a está ignorando na sala de aula, pode haver algum adulto molestando-a, ela pode ser mais sensível e insegura que a maioria e sentir falta da mãe (que para ela é uma figura protetora) mesmo se distanciando por períodos curtos, ela pode estar se sentindo negligenciada em casa mesmo e você não percebe pois a considera tão “boazinha” e fica feliz por ela brincar horas sozinha. Enfim, a lista das possibilidades do que pode estar acontecendo são enormes.

Ou também a escola percebe que algo está acontecendo e pede para os pais levarem a criança ao psicólogo. Tem pais que apresentam resistência, achando que seu filho não precisa ir. Alguns pais acham que podem ajudar seus filhos. O universo infantil é extenso e complexo, cada caso é um caso totalmente diferente do outro. O que deu certo com o filho da vizinha não significa que dará com o seu. Os sintomas que o coleguinha apresentou pode ter sido originado por problemas muito diferentes do que o seu filho está passando.

Alguns comportamentos que indicam que a criança precisa de acompanhamento de psicólogo são: excesso de necessidade de contato com a mãe ou o pai; não querer ir na escola; qualquer situação chora; comportamento agressivo na escola ou em casa; querer dormir com os pais mesmo depois de uma determinada idade; sudorese; pesadelos ou sono muito agitado; atraso na fala ou na coordenação motora; não lidar bem com um não; dificuldade em relacionar com outras crianças, etc.

A profissional tem um preparo para lidar com crianças. Através do brincar, vai “entrando” no mundo dela, oferecendo um ambiente onde ela se sinta segura e acolhida. A forma de falar, o tom, as palavras usadas são todas elaboradas para criar um ambiente de confiança onde a informação sobre o que se passa com o menor seja acolhidos da melhor forma possível. A psicologia infantil poderá ajudar esta criança a se restabelecer de forma mais saudável e também irá orientar os pais para a continuação do processo de melhora em casa.

Voltar